Review do eReader Kindle 4

kindle

Não gosto de me demorar muito para escrever certos reviews. Está certo que no ar desse ímpeto posso perder bons argumentos para um review de maior completude mas ao menos escrevo as primeiras linhas quando tenho minhas primeiras impressões. Com o Kindle 4 que comprei há algum tempo não seria diferente.

Deixarei de lado a história que envolve a dor de cabeça sobre como esse Kindle chegou enfim em minhas mãos e vamos direto ao que interessa, o aparelho!

Pra começar, a caixa do Kindle é simpática por si só, pequena e compacta utilizando o mínimo de material possível e conseguindo alcançar o status de uma verdadeira “embalagem verde”. Papel e papelão podem não ser a solução mais verde existente, mas ainda assim é uma solução verde que atende sua necessidade: Proteger o Kindle, veja na foto abaixo.

Caixa do Kindle

Caixa no qual o Kindle é enviado pela Amazon.


Sem querer entrar na discussão do mérito de ser verde ou não, as duas únicas coisas impressas que acompanham  são um pequeno cartão com informações bem básicas sobre o Kindle e uma outra fita que envolve o cabo USB que o acompanha. O cartão trás informações bem básicas para explicar como fazer seu Kindle funcionar pela primeira vez, após isso, todo o resto da documentação que você pode querer ou precisar, está no próprio aparelho. Afinal, se é um e-reader, por qual motivo deveria acompanhar um manual impresso de instrução?

Unboxing do Kindle 4

Kindle 4 desencaixotado com cabo USB e cartão de informações básicas.

 

Com o Unboxing feito, vamos às comparações de tamanho com um livro comum, impresso (e muito bom por sinal, já resenhado aqui no Axis Draco).

Comparação do Kindle 4 com um Livro Impresso

Kindle 4 ao lado do Neon Azul, de Eric Novello

Fica claro o tamanho da criança, é menor que uma folha A5 (confira os tamanhos oficiais do padrão Internacional) e com isso sua portabilidade fica 100% assegurada.

Vejamos agora sua espessura:

Comparação de espessura do Kindle 4

De cima pra baixo: Kindle, Neon Azul e Caixa do Kindle

 

A realidade é clara, ele é mais fino que uma caneta BIC que você deve ter por perto e suas dimensões fazem com que ele caiba até em bolsos de calça (ou os internos de jaquetas e blusas).

Cada uma das fotos é o suficiente para falar por si, o aparelho tem bom acabamento sem que isso o transforme em um objeto de luxo que atraia atenção indesejada e pode muito bem ser levado para todo o lado em qualquer mochila, bolsa feminina ou mesmo nos bolsos como disse acima. Mas o que importa mais com relação ao Kindle é a leitura não é mesmo?

Kindle 4 Exibindo Texto

Kindle 4 Exibindo um Livro Digital

No tangente da leitura, o Kindle surpreende ainda mais! É um aparelho que não cansa de ser carregado (talvez pelo seu tamanho e peso) e com botões estrategicamente colocados. Tem o peso de uma revista qualquer de menos 200 páginas (arriscaria até de 100) e com isso não se torna um desconforto segurar ele na mão o tempo todo ou mesmo trocar de páginas. A resolução de leitura é excelente (Resolução de 600×800 pixels em 167 ppi) o que confere uma aparência mais próxima ao do papel.

Mas é melhor que papel!

Ok, o papel se cai no chão não quebra o visor e nem corre risco de estragar só pela queda, mas não é esse o ponto no qual o Kindle é melhor que o Papel, o ponto no qual ele é campeão e consegue desbancar tranquilamente um livro impresso é a diferença de cores das letras e do fundo que conseguem cansar menos a vista que um papel impresso em papel branco ou mesmo em tom amarelado. Acreditem, eu não sei se estou falando besteira aqui, mas com ele em mãos eu pensei se os engenheiros da Amazon não fizeram uma enorme pesquisa (ou utilizaram algumas já feitas) de campos de cores e a interação dos olhos com isso. Não pense em computadores ao pensar a respeito de como é ler no Kindle, pense mais em como é ler algo impresso em um acabamento de plástico fosco.

Esse conforto de leitura que é proporcionado pelo Kindle me pareceu bem superior ao do Papel, mas talvez seja apenas efeito de distorção da Amazon, mas como estava lendo outro livro impresso em papel branco, senti uma enorme diferença no qual o Kindle foi totalmente favorecido (em seguida corri para procurar a versão digital do livro em questão que está em Domínio Público, mas sobre isso falo mais adiante).

Então resumindo: Para o que importa, que é ler livros, o Kindle parece a melhor coisa feita, ganhando até de livros. Em comparação com o iPad 2 por exemplo, cito uma vantagem avassaladora: Autonomia de bateria. Enquanto o iPad 2 não pode ficar muito tempo longe da eletricidade, o Kindle 4 pode ficar por até semanas (ainda testei apenas no quesito “dias”) sem sequer conectar a uma fonte de energia.

Sei que algumas pessoas tem fetichismo por livros, pelo folhear de páginas ou pelo aroma de livro novo (ou dos já “adocicados” encontrados em sebos) e irão reclamar da inexistência disso no Kindle, a paginação transforma o conteúdo do texto em algo fluído cuja paginação dependerá do tamanho da fonte que você utilize, o texto é praticamente uma tela corrida que vai sendo trocada a cada paginação e para voltar para uma página lá no começo, quando você já está perto do fim, pode ser complicado.

Pois é, eu até agora só falei das maravilhas do Kindle 4 e chega a hora de falar dos detalhes que não o tornam algo perfeito (mas bem próximo de ser).

Anotações: Como graduando em Letras, ler é uma tarefa que costumo fazer com o lápis na mão (em especial os livros que estudo) para fazer anotações e marcações. No Kindle 4 que comprei, que é a versão de US$79.00 e que conta apenas com botões físicos e a ausência de um teclado, isso é um inferno. Tentei fazer uma anotação, mas ficar digitando texto com o botão de navegação de 5 direções, é impraticável. Portanto, se você só lê livros dessa forma, desista dessa versão do Kindle, talvez a touch lhe resolva ou mesmo a com teclado físico embutido.

Outra alternativa é fazer anotações utilizando um bloco de notas e rabiscando nele com referências. Mas isso fica para cada um desenvolver seu próprio método. A opção no Kindle 4 existe, mas não é interessante e nem mesmo prática.

Buscas: Com esse costume de décadas que adquirimos de ler livros físicos, desenvolvemos (cada um em seu devido grau) uma memória dimensional de onde está algo no livro, altura ou posição da página e a busca pode ser feita por folheação rápida, aquela no qual se posiciona o polegar e se deixa as páginas correrem até que chegue no determinado ponto desejado. Com o Kindle isso é impossível.

A paginação por botões não é ruim, mas é um outro paradigma de uso e requer um outro conjunto de habilidades a serem desenvolvidas de posse com um Kindle em mãos, uma dessas talvez seja a memorização de palavras chave ou mesmo de frases únicas pois em posse delas uma busca pode ser feita de maneira automágica pelo buscador nativo do Kindle. Em alguns casos como em dicionários, é ainda melhor que folhear as páginas no polegar.

São esses dois os únicos problemas que encontrei com o Kindle até então. Nenhum deles me foi motivo para sequer pensar em desistir dele, talvez seja a febre da novidade e dos primeiros dias, talvez seja a realidade factual e pronto. Kindle é melhor do que livro impresso.

Mas não acaba aqui, se tem algo que me dá prazer em um objeto eletrônico, é a descoberta de novas coisas e uma descoberta que adorei fazer foi a de que o Kindle lê nativamente formato CBZ, um dos formatos mais usados para veicular comics e mangas (na realidade o CBZ não passa de um arquivo .ZIP renomeado) ao lado do CBR (não suportado pelo Kindle).  Testei um manga da série Fullmetal Alchemist e a qualidade foi muito satisfatória, gostei muito do resultado já que a resolução é boa. Como mangas são geralmente em P&B, cai como uma luva. Já comics que são originalmente  coloridas tem um tamanho maior, o ideal é que se converta para P&B previamente, fazendo controle dos tons para encontrar uma boa qualidade mas mesmo assim, boa parte da graça delas está nas cores, portanto deixo bem claro que embora funcione, não é a melhor experiência possível. Outra ressalva importante é referente ao tamanho do letramento dos quadrinhos, embora a falta de detalhamento não prejudique os desenhos em si, quanto ás letras as coisas podem ficar bem complicadas.

Outra descoberta foi encontrada em forma praticamente de mutirão. Já noticiei aqui no Axis Draco que fiz a compra do Kindle junto com mais alguns amigos e junto a isso veio a preocupação: Será que ele recebe Special Offers?

As Special Offers, como a tradução sugere, são ofertas especiais enviadas para o Kindle quando ele se conecta à rede da Amazon. Não digo que são ruins e nem mesmo que chegam a atrapalhar a leitura, elas foram cuidadosamente trabalhadas e aparecem apenas na tela de exibição de suas coleções ou no descanso de tela que é ativado automaticamente depois de alguns minutos ou quando você coloca o Kindle em Sleep Mode. O problema é que essas ofertas só servem para público de outros países e enquanto a Amazon não chegar de vez no Brasil, receber esse tipo de oferta pode ser torturante e com isso em mente, o melhor é tirar essas ofertas.

Existe um modo oficial de fazer com que essas ofertas sumam de vez, mas esse modo oficial também não funciona no Brasil pois o Kindle 4 de US$79.00 com Special Offers não é vendido para o Brasil (para saber mais a respeito, leia sobre a Odisseia dele) e com isso não existe uma forma oficial e “legal” de tirar as Special Offers. Mas graças ao mutirão (pois comprei o Kindle junto a outros amigos) foi encontrada uma forma simples demais de retirar as Special Offers que pode ser vista em língua inglesa. Outra forma mais complexa e com a qual ainda não tive sucesso permite que você não apenas remova as Special Offers, mas também insira suas próprias imagens de descanso de tela (Assim que conseguir resolver isso, posto por aqui).

Existe uma terceira forma que chamo de proscrita, que é um Jailbreak que requer habilidades avançadas de informática para evitar que você danifique seu aparelho, mas essa nem mesmo vale a pena ser linkada enquanto não for algo seguro. No fim das contas, até as Special Offers que incomodam alguns, podem desaparecer sem maiores preocupações.

De posse de todas essas informações talvez o texto pudesse acabar, mas não costumo deixar para outra oportunidade o que pode ser dito hoje e por isso falo do Calibre.

Calibre é um software de gerenciamento de e-books gratuito e que funciona muito bem para organizar livros, converter formatos e outras muitas utilidades. Essa ferramenta se mostra ainda mais interessante quando você sabe que tem a sua disposição uma enorme quantidade de obras em domínio público que podem ser baixadas sem que qualquer crime virtual seja cometido, seja no Project Gutenberg que conta com mais de 36.000 livros no nosso pequeno portal de Domínio Público, ou em muitos sites por aí como o Authorama que oferecem esse tipo de conteúdo.

Acaba por aqui? Não, uma última coisa: Falei de Mangas e Comics anteriormente, como muitas vezes os processos para produzir os arquivos CBZ podem ser complicados, existe uma ferramenta chamada Mangle que facilita a vida de qualquer um que queira converter seus quadrinhos digitais para formatos que o Kindle leia nativamente. A ferramenta exige um pouco mais de conhecimento mas conta com bons tutoriais e informações de suporte.

Por fim, se você chegou até aqui e ainda quer saber mais informações sobre o Kindle, sugiro que confira esse Mini Review do Kindle 4 escrito pela Strix que fez parte desse mutirão de compra de Kindle ou um desses quatro, reviews do Kindle (em outra versão) feitos pelo Mushi, um entusiasta de e-ink/e-paper e derivados e responsável em boa parte pela minha decisão de comprar um Kindle:

(sim, copiado descaradamente do mini-review da Strix)

Então é isso meus caros leitores, fica aqui esse review até bem longo sobre o Kindle com informações diversas mas nem por isso definitivas, garanto que vale a pena passar pelo review da Strix ou pelos do Mushi para saber mais sobre o Kindle, conhecer melhor a plataforma de leitura e até conhecer vantagens do Kindle em relação a outros leitores semelhantes.

Tão logo eu tenha novas informações, compartilho com vocês!

4 thoughts on “Review do eReader Kindle 4

  1. Muito bom seu review! Utilizo o Kindle 3 a mais ou menos dois anos e amo! Pelo seus comentários, trocar por um Kindle 4 não é bom negócio, o tecado físico do 3 me ajuda muito! rs

  2. Gostei do review e concordo principalmente no que tu fala sobre as anotações. No restante até agora o kindle 4 não me decepcionou em nada.

  3. Ola.. Muito bom esse blog. Tenho uma duvida enorme, os livros em epub convertidos para mobi. no calibre ficam com qualidade no kindle? Qualquer livro mobi. é compativel com o kindle ou tem que ser comprado na amazon (original)?

    • Esse caso é um pouco mais avançado. O kindle funciona apenas com mobi mas como epub pode ser exportado para mobi, existe sim a possibilidade de ficar com qualidade. Quanto a comprar ou não, aí vale mais fazer uma pesquisa mais avançada.

Deixe uma resposta